A legislação é bastante vaga em relação a maneira em que os candidatos devem declarar seus bens

A legislação é bastante vaga em relação a maneira em que os candidatos devem declarar seus bens.  A Lei Eleitoral de 1965 indicava que o registro de candidatura deveria aportar  uma declaração de bens que mencionasse “a origem e as mutações patrimoniais”.

Com a legislação de 1997 bastaria uma “declaração de bens, assinada pelo candidato”.

O TSE em 2006 decidiu que a obrigação de se demonstrar a origem e as mudanças do patrimônio já não eram mais obrigatórias. O processo em que se chegou a esse entendimento envolvia a candidata ao governo do Maranhão Roseana Sarney. Ela havia informado à Justiça Eleitoral uma lista de 16 bens porém somente um deles com valor declarado, incluindo vários imóveis e até mesmo a propriedade de uma ilha, todos esses bens no valor de ‘zero’ reais.

Dessa forma o TSE validou o entendimento de que os candidatos não precisam atualizar o valor dos seus bens o que pode gerar situações bastante esdrúxulas, como é ilustrado no caso abaixo das últimas eleições presidenciais:

Não é ilegal, não é crime eleitoral – o imóvel pode ser declarado pelo valor de compra de anos atrás – mas o valor dos bens dos três principais candidatos a presidente da República é muito maior que o declarado ao TSE.

Uma prova de que os candidatos ‘dão uma banana’ para a Receita Federal, que pretendem comandar, e camuflam dos eleitores o belo patrimônio que possuem.

Para citar apenas três exemplos, Aécio Neves (PSDB), Eduardo Campos (PSB) e Dilma Rousseff (PT) subvalorizaram em milhões de reais três imóveis que têm. Continua…

 

3 Comments

  1. fazer hospitais que nunca tem leito nos que tem a população ta morrendo sem socorro e polícias nas ruas pra diminuir os assaltos principalmente nos onibus

Deixe um comentário

Dê-nos sua opinião sobre este assunto!

Seu endereço de e-mail não será publicado.


*